Portal de Meio Ambiente (PMA) Brasil - Natal,Rn - Campus UFRN

Passo a passo da coleta seletiva

Divulgado em: 31/01/2012

A implantação da coleta seletiva tem início com a Indicação de um agente ambiental responsável pela orientação do projeto na unidade. Integrantes das CPATs devem ser considerados membros natos das equipes locais de gestão de resíduos.

 

As etapas seguintes são:

 

Levantamento de dados sobre a situação da gestão dos resíduos na Unidade:

1. Elaborar diagnóstico dos materiais e equipamentos geradores de resíduos utilizados (máquinas copiadoras, impressoras, etc), dos resíduos gerados na unidade, da logística do recolhimento e do envolvimento dos catadores (caso exista);
2. Levantamento dos principais materiais de consumo potencialmente recicláveis utilizados na unidade (papéis brancos e formulários diversos, plástico – copos descartáveis e cartuchos), lâmpadas, CD, disquetes, sobras de obras de reforma e outros;
3. Levantamento dos tipos de resíduos gerados – recicláveis (escritório e copa: papel, cartucho, alumínio, vidro, plástico, lâmpadas, CD, disquetes e sobras de reformas físicas), orgânicos e rejeitos (banheiro).

 

Definição de estratégias e adoção de providências necessárias para a implantação da coleta seletiva na unidade.

1. Definição sobre os tipos de materiais recicláveis a serem selecionados considerando a especificidade do material ou a sua periculosidade em atenção às normas de segurança;
2. Definição do fluxo e freqüência do recolhimento dos materiais recicláveis; 3. Definição de locais para disposição de coletores para recolhimento de materiais
4. Definição de locais para armazenamento de materiais recicláveis recolhidos, separadamente do lixo;
5. Definição de atribuições e tarefas específicas e rotinas necessárias: quem vai fazer o quê, quando e como nas diversas etapas da operacionalização do projeto – seleção, coleta, pesagem, controles, entrega dos materiais, medição, etc;
6. Definição de cronograma de implantação e execução;
7. Levantamento e solicitação de materiais e equipamentos necessários para operar a coleta seletiva: coletores em cores diferenciadas, sacos plásticos, cestas/caixas de coleta de papel, coletores de copos descartáveis; fragmentadora de papéis sigilosos, balança para pesagem do material.

 

Sensibilização
1. Divulgação do lançamento do projeto;
2. Processo de envolvimento dos servidores e funcionário da limpeza;
3. Apresentação dos resultados do diagnóstico aos funcionários,
4. Utilização de cartazes, folders, boletins, cartilhas, vídeos, etc;
5. Realização de oficinas, palestras, mostras de vídeo.

 

Monitoramento e Avaliação do Processo
1. Vistorias periódicas para verificação do cumprimento das rotinas estabelecidas para a seleção, coleta e destinação dos materiais;
2. Controle e registro do material selecionado e coletado;
3. Divulgação dos resultados do projeto para a equipe;
4. Apresentação de relatório mensal à Comissão Setorial;
5. Identificação de facilitadores e dificultadores do processo e reformulação de estratégias, com redirecionamento das ações, quando necessário.

 

AS ETAPAS DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS PERIGOSOS

 

São as seguintes as etapas para a implantação do gerenciamento dos resíduos perigosos na UFRN:

 

-Mobilização da comunidade envolvendo pessoal técnico, administrativo, docentes e discentes.
-Mapeamento dos laboratórios com potencial na geração de resíduos
-Interação com grupos relacionados à biossegurança – SESMT, CPAT, etc.
-Relacionamento com órgãos legislativos e fiscalizadores externos
-Qualificação de facilitadores e multiplicadores
-Cadastro dos laboratórios
-Identificação e quantificação do resíduo passivo existente
-Identificação e quantificação dos resíduos gerados continuamente
-Facilitação do processo de segmentação e estocagem adequada
-Facilitação de processos locais existentes de passivação e reciclagem dos resíduos
-Viabilização da disposição final de forma adequada
-Adquisição de normas e certificados
-Aquisição de recipientes adequados para armazenamento
-Rotulagem (utilização de diamante de Hummel)
-Monitorar águas pluviais e residuais
-Aquisição de equipamentos para tratamento e reciclagem
-Aquisição de veículo para transporte específico de resíduos.

Share Button

    Sembragires

    Sembragires

    Sembragires

    MCC

    IAGCA-USP

    MAST

    Expedições 2017.2

    Astronomia no Zênite

    Programas da DMA

    DMA Comunica

    contorno1

    contorno1

    contorno1

    Banner NUPECS

    Banner Parque da Cidade


    Dicas de páginas

    Espaço Amazônia

      Washington Novaes