Portal de Meio Ambiente (PMA) Brasil - Natal,Rn - Campus UFRN

Iceberg 4 vezes maior que São Paulo se desprende da Antártida e está à deriva

Divulgado em: 03/08/2017

ci54q00ktehzy1jlv0fcroa3dGigante de gelo mede 5,8 mil quilômetros quadrados e pesa um trilhão de toneladas, mas não deve alterar nível do oceano; iceberg será monitorado.

 

Um iceberg de 5.800 quilômetros quadrados de extensão, o equivalente a 3,8 vezes a área da cidade de São Paulo, desprendeu-se nesta semana da Antártida, no extremo sul do planeta. O desprendimento do gigante de gelo batizado de A68 ocorreu entre a segunda (10) e esta quarta-feira (12), informou a agência espacial americana, Nasa.

 

Cientistas vinham monitorando há vários anos o crescimento da fenda que deu origem ao desgarramento do iceberg
, que pesa mais de 1 trilhão de toneladas (1.000.000.000.000.000 quilos). O imenso bloco de gelo, com espessura entre 200 e 600 metros, deve ficar à deriva flutuando conforme os fluxos glaciais, mas seu destino é incerto.

 

“Nos surpreendemos com o tempo que a fenda demorou para avançar sobre os últimos quilômetros de gelo. Este iceberg é um dos maiores já registrados e é difícil prever seu futuro. Pode ser que ele permaneça como um único bloco, mas é mais possível que ele se fragmente. Parte de todo esse gelo poderá permanecer na região por décadas”, explicou o professor Adrian Luckman, responsável pelo projeto Midas, da Universidade de Swansea (País de Gales).

 

O desprendimento do A68 é um dos maiores eventos do gênero já registrados pela ciência moderna. Mas, ainda assim, os cientistas asseguram que o gigante de gelo não deve impactar no nível do oceano pois ele já estava em contato direto com o mar antes mesmo de se desgarrar do território da Antártida.

 

Mudança para a eternidade

 

O A68 estava preso a uma área do continente gelado batizada de Larsen C. Embora o gelo deva continuar crescendo naturalmente no local, a área foi reduzida em mais de 12%, o que faz com que o panorama da Península Antártica tenha sido alterado para sempre.

 

Os cientistas de Swansea temem que a ruptura leve o Larsen C a seguir os caminhos de seu vizinho, Larsen B, que também perdeu um fragmento significativo de seu território após a abertura de uma fenda em 1995. O Larsen B acabou se desintegrando completamente em 2002.
Os caminhos percorridos pelo iceberg A68 continuarão sendo acompanhados pelos cientistas da universidade galesa.

 

Fonte: Último Segundo

Share Button


Todas as notícias.

    Astronomia no Zênite

    Programas da DMA

    DMA Comunica

    contorno1

    contorno1

    contorno1

    Banner NUPECS

    Banner Parque da Cidade


    Dicas de páginas

    Espaço Amazônia

      Washington Novaes